Pablo Escobar – Alonso Salazar – Editora Planeta

[Catalogação da Nossa Biblioteca] 

La parábola de Pablo: Auge y caída de un gran capo del narcotráfico 

Alonso Salazar,  2012

Esta edição : Editora Planeta,  2014.  Tradução de Eric Heneaul e Olga Cafalcchio

#saladaresenha1minuto aqui

Donnie Darko Screenplay – Richard Kelly – Dark Side 

[Catalogação da Nossa Biblioteca] 

2003, Richard Kelly,  Faber and Faber UK

Esta edição Especial : Dark Side,  2016

Prefácio por Jake Gyllenhall 

Entrevista com Richard Kelly por Kevin Conroy Scott,  2003

Apêndice : A Filosofia da Viagem no Tempo,  Roberta Sparrow

Meus comentários #saladaresenha1minuto aqui

O Demônio do meio-dia: Uma Anatomia da Depressão – Andrew Solomon – Companhia das Letras 

The noonday demon: an atlas of depression,  Andrew Solomon,  2001

Esta edição : 2a edição,  4a reimpressão,  2015,  companhia das Letras.  Tradução de Myriam Campelo; epílogo acrescentado a esta edição  traduzido por Pedro Maia Soares. 

Cidade dos Etéreos – Ransom Riggs – Intrínseca Editora

 

Oi gente!

 

Este é o segundo volume da série ‘O Orfanato da Srta Peregrine para Crianças Peculiares’. A resenha do volume I está aqui.

‘Cidade dos Etéreos’ foi lançado pela Intrínseca numa bela edição em capa dura e além de uma entrevista com Ransom Riggs ,contém o primeiro capítulo do último volume da trilogia.

Ele começa sem saltos temporais, partindo exatamente de onde termina o primeiro volume.

No começo do livro achei que a narrativa seria monótona e que o autor não teria fôlego suficiente para três volumes interessantes mas de fato as personagens vão crescendo ao longo da narrativa, que se torna mais frenética e viciante do segundo terço do livro em diante.

O livro é tão mágico que quando você começa a questionar alguma coisa de repente a resposta aparece, de forma que o enredo vai ficando cada vez mais redondo (coisa de escritor que respeita a inteligência do leitor). A única parte meio chatinha é o romance adolescente do protagonista, mas é algo que de certa forma é esperado acontecer quando há muitos zóvens juntos, hehe.

As fotos tornam a história mais viva e a experiência do primeiro volume se repete, tanto que acabei comprando ‘Talking Pictures’ de tão apegada que fiquei às fotos. Em uma de minhas viagens vi uma exposição de fotos antigas incríveis, também garimpadas em lojas de antiguidade, sebos e outras feirinhas e acho interessantíssimo imaginar quem foram aquelas pessoas, como viviam e o que esperavam imortalizar.

O grupo de crianças peculiares passa por uma saga que se insinua em três séculos distintos, encontram novos peculiares, fazem novas alianças e descobrem mais sobre sua própria história. Após uma revelação inesperada, Ranson prepara os leitores para desejar com força o terceiro livro.

Acho que ‘Cidade dos Etéreos’ fez jus ao primeiro volume e certamente lerei o terceiro da série.

Beijos,

M.

O Orfanato da Srta. Peregrine para Crianças Peculiares – Ransom Riggs – Editora Leya

Oi gente,

Antes de tudo gostaria de agradecer as visitas e falar que por tempo indeterminado só vou comentar os livros que ando lendo lá no Instagram ou no Twitter, ok? Ando muito sem tempo e vou manter o blog apenas pela intenção inicial, que é catalogar os livros da nossa Biblioteca.

O Orfanato da Srta. Peregrine é o primeiro livro de Ransom Riggs, um jovem e promissor escritor americano que também é blogueiro, repórter fotográfico e colecionador de fotos antigas. O segundo livro da série, Cidade dos Etéreos, também já foi editado em língua portuguesa e acredito que o terceiro já esteja no forno por aqui. Em setembro o filme dirigido por Tim Burton estará nos cinemas.

 

O filme fez algumas alterações bem importantes, juntando a personagem Emma com a personagem Olive. No trailer também senti falta do cabelo desgrenhado de Fiona. A imagem mental que fazemos das personagens no livro é… peculiar.

 

O método de escrita deste livro já vale a leitura. Ransom selecionou fotos antigas e autênticas de cerca de 10 colecionadores que passaram anos juntando preciosidades em brechós, sebos e feiras. Ele criou a história deste primeiro livro da trilogia totalmente inspirado nas imagens, basicamente não retocadas, deixando-as falarem por sim.

No início do século passado a Polônia se constituia na segunda maior comunidade judaica do mundo. Logo após a 1ª Guerra Mundial os judeus poloneses passaram a sofrer perseguições violentas e foram vítimas sistemáticas de pogromistas. A história do nosso protagonista Jacob começa neste cenário de crise pós-Guerra: quando seu avô polonês tinha cerca de 8 anos de idade foi levado por sua família para um Orfanato localizado em Cairnholm*, uma ilha do País de Gales onde supostamente estaria protegido de ataques nazistas.

Deflagrada a II Guerra, o então adolescente Abraham Portman alista-se no exército, luta contra os alemães e em razão da morte de seus pais, fixa-se nos EUA, onde constitui família. Nascido americano e de família materna rica, o garoto cresce ouvindo as histórias fantásticas do avô sobre o ambiente paradisíaco da ilha, sobre os poderes misteriosos das crianças peculiares e sobre a Srta Peregrine, tendo acesso inclusive a fotos que seu avô mantinha com carinho.

Já crescido, Jacob passa a desconfiar que a existência de um garoto invisível ou uma menina mais leve que o ar seriam meras criações do seu avô para diverti-lo, até que um evento traumático e aterrorizador põe em cheque seu ceticismo e após um longo tratamento psiquiátrico para transtorno de estresse pós-traumático ele decide visitar a ilha, investigar o passado do avô e obter respostas para o evento que presenciou.

A história é interessante e embora construída com pistas que leitores adultos desvendam antes do mistério ser solucionado por Jacob, a trauma é envolvente e a leitura extremamente agradável, sem altos e baixos, sem enrolação e com tudo se encaixando tão perfeitamente que até parece lógica a dicotomia da espécie humama entre e coerfolc e cripto-sapiens (ou a existência de fendas que permitem parar a evolução do tempo).

Por volta do meio do livro o mistério vai se diluindo e a história se transforma em uma aventura onde Jacob, que está com 16 anos de idade, claramente vai amadurecendo e ficando diante de responsabilidades que jamais imaginou.

O livro termina com gosto de quero mais, por isso ontem mesmo comecei a ler ‘Cidade dos Etéreos’. Como é comum em trilogias, no geral o primeiro livro é o mais interessante. Em ‘Cidade’ o autor fez o caminho inverso, deixou o texto falar por si e procurou fotos que se encaixassem nele.

Beijos,
M.

*A Ilha também é fictícia.